ORÇAMENTO, EMENDAS E A SUPLEMENTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA…

A discussão sobre o Orçamento Municipal para 2014 pode estar sendo encoberta pelas discussões e denúncias na Câmara Municipal. É o que alegam os vereadores da oposição. Só para se ter uma idéia, os parlamentares terão até o dia 18 para fazer emendas ao Orçamento de 2014. Emendas são indicações dos vereadores de valores que podem ser aplicados em determinada obra ou serviço específicos nos bairros da cidade, por exemplo, ou ainda, repasses para entidades assistenciais.

Ocorre que nos últimos dias houve uma chuva de denúncias, ameaças e discussões acaloradas, tirando o foco dos próprios vereadores e da população em geral, de assuntos mais importantes e urgentes dentro da Casa de Leis. Isto pode – evidentemente – beneficiar o Governo Municipal, o qual não vê com bons olhos as emendas parlamentares. Os governantes gostam mesmo de restringir o orçamento às suas vistas, dentro dos seus interesses e da visão que lhe agrada, quando muito dedicar poucas emendas para parlamentares aliados.

Outro aspecto importante é uma suplementação orçamentária que deve desembarcar na Câmara Municipal de R$ 12 milhões, necessária para cobertura de contas e rubricas orçamentárias, entre elas da folha de pagamento dos servidores municipais. A situação já havia sido anunciada pelo vereador Laroca Neto (PDT) no início do ano. Com a aprovação do reajuste dos servidores (média de 12%) e com a criação de mais cargos comissionados, a folha de pagamento da Prefeitura Municipal vem absorvendo grande parte dos recursos municipais, engessando os investimentos, e criando sérios problemas de pagamentos aos fornecedores.

Com isto, a equipe econômica da Prefeitura estaria já com sérios problemas para fechar as contas do ano, pagar os funcionários em dia – salários e décimo terceiro – e ainda os fornecedores.

Claro e evidente que, se os parlamentares deixarem de lado mesquinharias particulares, interesses ocultos (ou não muito) e realmente se concentrarem no que interesse para a população, a votação de projetos importantes, como, por exemplo, um Orçamento justo, participativo e direcionado para a sustentação financeira do Município, então podemos entender que a Câmara Municipal estará realmente fazendo o seu trabalho.

Agora, enquanto houver discussões envolvendo denúncias, um querendo puxar o tapete do outro a qualquer custo, sinceramente, fica difícil acreditar e confiar no trabalho dos senhores vereadores. E aqui fazemos questão de não citar nomes deste ou daquele vereador. Todos tem a responsabilidade de melhor direcionar os trabalhos do Legislativo, sendo que a roupa suja deve ser lavada em casa, especificamente, nos gabinetes estratégicos.

Quando acontecem fatos lamentáveis como dos últimos dias, não somente a imagem da Câmara Municipal fica severamente arranhada, mas também há o comprometimento dos trabalhos legislativos, prejudicando o poder decisórios de quem precisa administrar a cidade.

O Parlamento é sim o local de discussões, das palavras. Mas, que isto não sirva para encobrir outras situações, não sirvam para deixar de lado situações negativas e danosas, para contra-ataques pessoas, os quais são improdutivos e prejudicais ao município e seus habitantes.

Afinal de contas, o povo quer saber em ser atendido em suas necessidades básicas e que não faltem recursos para as situações mais importantes de saúde, educação e segurança. Se existem irregularidades ou alguém praticou algum ato ilícito, que a justiça se manifeste e aí sem os culpados sejam punidos. O que for fora disto, é pura enganação, uma espécie de cortina de fumaça para encobrir as verdadeiras pendengas políticas que ficam enrustidas nos bastidores. E isto não interessa para o povo.

About Paulo Sérgio Rodrigues

Comentarista político, radialista, trabalhou em diversas emissoras de rádio, em TV e em jornais de Ponta Grossa, vem atuando há 30 anos no jornalismo de Ponta Grossa e região dos Campos Gerais.

View all posts by Paulo Sérgio Rodrigues →