Vereadores querem separar discussão sobre o parcelamento e a renovação do contrato com a Sanepar

Pietro Arnaud e Eduardo Kalinoski manifestaram preocupações com a exigência de renovação do contrato para que Prefeitura faça o financiamento da dívida com a Sanepar. fotos: Kauter Prado – CMPG.

Quase todos os vereadores que utilizaram a Tribuna da Câmara Municipal de Ponta Grossa, na sessão desta segunda-feira (27), comentaram sobre a situação do parcelamento da dívida com a Sanepar, bem como a renovação do contrato com a estatal. 

Neste sentido, Pietro Arnaud salientou que a Audiência Pública, realizada pela Prefeitura Municipal, na última sexta-feira (24), “pouco ou quase nada” contribuiu para elucidar alguns pontos importantes, relatando a dificuldade do representante da Sanepar em justificar a renovação precoce do contrato. “É preocupante que a Sanepar queira atrelar o acesso ao Recred à renovação do contrato. Uma coisa não tem nada a ver com a outra…vamos excluir este artigo 5 do Projeto enviado pela Prefeitura”, disse o vereador.

Eduardo Kalinoski também discursou na mesma linha do antecessor e relatou que “dá a impressão que estão querendo colocar ‘goela abaixo’ esta situação…vamos aprovar o Recred, mas vamos retirar esta cláusula quinta para podermos ter condições mais rigorosas para a renovação do contrato”, comentou.

Para Geraldo Stocco, que é relator do Projeto de Lei 413/2017, que trata do parcelamento da dívida do Município de Ponta Grossa com a Sanepar na ordem de R$ 44 milhões em pagamentos mensais de R$ 380 mil por 10 anos. “Ainda não recebemos nada de informações por parte da Prefeitura. Protocolamos diversos requerimentos de informações detalhadas e até agora nada. Porque será?”, indagou o parlamentar.

 João Florenal e a Professora Rose também discorreram sobre a importância de se aprovar o parcelamento, mas manifestaram preocupação na discussão mais embasada do projeto de renovação do contrato por mais 30 anos com a Sanepar.

PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS

Por sua vez, George Luiz de Oliveira não deu muita bola para o problema do contrato com a Sanepar. Ele está preocupado mesmo com os preços dos combustíveis. E o vereador bateu forte, de novo. De acordo com George, Ponta Grossa é a terceira cidade com combustível mais caro, entre algumas que ele pesquisou nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro. 

O parlamentar convidou outros vereadores a compor uma comissão para debater o assunto e foi acompanhado por João Florenal que disse ter conhecimento de que uma grande parte dos postos de combustíveis em Ponta Grossa pertencem a apenas um proprietário, o que – se for verdade – é muito preocupante mesmo.

  • Paulo Sérgio Rodrigues, editor.

About Paulo Sérgio Rodrigues

Comentarista político, radialista, trabalhou em diversas emissoras de rádio, em TV e em jornais de Ponta Grossa, vem atuando há 30 anos no jornalismo de Ponta Grossa e região dos Campos Gerais.

View all posts by Paulo Sérgio Rodrigues →