Ponta Grossa: Rangel diz que privatizar é a prioridade

Prefeito que privatizar espaços e serviços do município. Foto: Arquivo.
O prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel, disse em entrevista concedida ao Jornal da Manhã, no último final de semana , Feriadão do Natal, que a prioridade do seu governo é “privatizar tudo que não for essencial no governo”. De acordo com o prefeito, a prefeitura deverá entregar para a iniciativa privada os serviços que não sejam de atendimento direto e obrigações constitucionais, como saúde, educação e segurança, por exemplo.
Rangel destacou o exemplo do Centro de Eventos, não concebendo que a prefeitura tenha que cuidar de um local que custa muito caro e o município utiliza muito pouco. O projeto de terceirização da administração do Centro de Eventos, localizado no bairro Contorno, já está na Câmara Municipal e deverá ser discutido e votado pelos vereadores a partir de fevereiro, quando haverá o retorno às sessões legislativas.
Terceirizar serviços e estrutura do governo não é o problema. Geralmente, a iniciativa privada é mais eficiente e custa menos para os cofres. Porém, tudo precisa ser muito bem feito, com transparência e controle total.
O governo municipal precisar ter mecanismos de controle e fiscalização eficientes e que os serviços eventualmente terceirizados sejam prestados com pontualidade e eficiência.
Obviamente que as empresas privadas, quando fazem a gestão de um serviço público, o fazem com o objetivo de ganhar dinheiro, aferir lucros. Isto é normal. Entretanto, o gestor público precisa cuidar para que o serviço prestado atenda aos interesses da população, em primeiro lugar. Precisa também cuidar para que tudo seja feito de acordo com os princípios da moralidade, transparência, economicidade e eficiência do serviços delegado.
MUDANÇA DE PARTIDO E CANDIDATURA
Marcelo Rangel confirmou que deixará o PPS, partido que foi eleito e reeleito prefeito. O prefeito disse que estará analisando os convites recebidos e vai pensar sobre seu futuro político.
Marcelo não falou, na entrevista, sobre uma eventual candidatura a deputado estadual, situação que não é descartada pelo seu grupo de apoio nos comentários dos bastidores do Palácio da Ronda.
No tabuleiro do jogo político que se avizinha, o atual prefeito de Ponta Grossa tem pouco a perder. Se for candidato a deputado e foi eleito, segue a carreira política e retorno para a Alep. Se isto combinar com uma vitória de Ratinho Júnior ao governo do Estado, ganhará superlativa força perante ao novo governo, podendo, inclusive, indicar cargos na estrutura administrativa.
Caso saia candidato e não seja eleito, mas com a vitória de Ratinho Júnior, mesmo assim tem possibilidades de chegar a um carga de primeiro escalão dentro do governo estadual.
Mesmo que não seja candidato, o prefeito tem ainda mais 3 anos de mandato pela frente. Porém, muitos apostam que esta opção seria a última das últimas do prefeito-radialista.

 

Não são perspectivas tão ruins assim, não é mesmo?
  • Paulo Sérgio Rodrigues, editor.

About Paulo Sérgio Rodrigues

Comentarista político, radialista, trabalhou em diversas emissoras de rádio, em TV e em jornais de Ponta Grossa, vem atuando há 30 anos no jornalismo de Ponta Grossa e região dos Campos Gerais.

View all posts by Paulo Sérgio Rodrigues →