Bastidores: estaria em curso uma aproximação de Aliel Machado com Marcelo e Sandro?

Deputado Aliel Machado (direita) destaca parceria com o prefeito Marcelo Rangel na reforma da quadra esportiva na Vila Cristina. Foto: divulgação.
A foto da capa deste artigo é emblemática: o deputado Aliel Machado ao lado do Prefeito Marcelo Rangel. Ambos compareceram a entrega da reforma da quadra esportiva da Vila Cristina, obra que foi possível graças a emenda individual de Aliel no valor de R$ 150 mil. Fato curioso é que tanto Aliel quanto Rangel elogiaram-se mutuamente, de forma institucional obviamente, e destacaram a atuação de ambos no processo.
Mas, claro que por trás da entrega desta importante obra para a comunidade da Vila Cristina, nós analisamos também o contexto político. E neste sentido, existem comentários de bastidores, e o evento desta quinta-feira (18) vem a corroborar com esta teoria, de que pode estar em curso uma aproximação entre o deputado Aliel Machado e os irmãos Marcelo Rangel e Sandro Alex.
A situação que parece, a princípio, meio que estranha, passa a ganhar contornos de possibilidade quando analisar o quadro eleitoral que ocorrerá no mês de outubro próximo.
Como Marcelo Rangel disse que não será candidato a deputado estadual, uma eventual aproximação de Aliel com os “manos” Cruz de Oliveira teria uma fundamentação lógica na disputa por votos para a Câmara Federal, quando entra nesta equação, ninguém mais, ninguém menos, do que o deputado Márcio Pauliki.
Mas, o leitor (a) perguntaria então: como a aproximação com Marcelo e Sandro pode ajudar Aliel?
A questão é puramente matemática. Vamos aos pontos.
Atualmente Ponta Grossa e região têm dois deputados federais: Aliel e Sandro. Falando-se em termos de atuação e também levando-se em conta a questão partidária, Sandro Alex tem grandes possibilidade de emplacar uma nova reeleição. Embora sua votação em Ponta Grossa esteja diminuindo a cada eleição, e este processo deve prosseguir no próximo pleito, em outras regiões do Estado o nome de Sandro Alex aparece com boa desenvoltura. Assim, salvo eventuais problemas durante a campanha, Sandro não deve ter maiores problemas para se reeleger pelo PSD, onde é uma das principais figuras.
Aliel, que fez boa votação em 2014 para federal, em Ponta Grossa e na região, e também na disputa pela Prefeitura em 2016, sabe que a eleição para deputado é diferente. Dos 79 mil votos recebidos nas urnas naquela votação, Aliel sabe que boa parte foi o voto dele mesmo, pelo seu nome, suas posições e propostas. Entretanto, outra parte foi pela rejeição de parte da população a reeleição de Marcelo Rangel. Como no segundo turno haviam duas opções, o eleitor que não votariam em Rangel de jeito nenhum só tinha uma outra opção, e vice-versa.
E onde entra Pauliki em tudo isto?
Acontece que, desde o anúncio da pré-candidatura de Márcio Pauliki à federal, que as pedras do tabuleiro político estão se movimentando dia a dia. E como dizia o saudoso Altair Ramalho, “em política, até cavalo cria asas e voa”, o deputado Aliel Machado sabe também que precisa, primeiro, escolher um novo partido que lhe possibilite uma reeleição sem uma exigência muito grande de votos, na casa dos 80 mil votos, por exemplo, assim como ganhar terreno em algumas regiões.
Pauliki, com um bom trabalho na Assembléia Legislativa, com verbas e projetos liberados pelo Governo do Estado, vem conquistando divulgação e lideranças em diversas regiões. Isto credencia o deputado a conquistar uma importante fatia do eleitorado.
Assim, a dedução lógica é que, se Aliel se aproximar de Marcelo e Sandro, ele acaba meio que conquistando uma parcela da população, que isoladamente poderia ser mais difícil. De quebra enfraqueceria Pauliki em alguns segmentos, onde Sandro Alex poderia reverter para si lideranças e o eleitorado.
É aquela velha história: as vezes a melhor estratégia é enfraquecer seu adversário para ganhar terreno. Neste caso, para ganhar terreno, a estratégia de Aliel pode ser tirar terreno de Pauliki via uma parceria subliminar com Marcelo e Sandro, atuais adversários políticos mais ferrenhos do deputado/empresário.
Cumpre aqui registrar que trata-se de briga de cachorro grande. Todos os três aqui citados, tem bala na agulha e munição para despejar neste complexo jogo político-eleitoral.
Sabemos também da eficiência de Márcio Pauliki e Sandro Alex, na divulgação de seus nomes, no alistamento de lideranças e na estratégia política, pois são grupos políticos muito bem montados, com assessorias e apoiadores de alto gabarito.
Entretanto, Aliel Machado, mesmo tendo (talvez) menos recursos financeiros e sem o aparato dos governos federal e estadual, já demonstrou possuir um alto nível de articulação política, uma habilidade extraordinária de concatenar fatos e personagens de forma a lhe pavimentar caminhos, antes considerados complicados, para se chegar a um determinado objetivo.
Espera-se, no entanto, que Ponta Grossa e região, independente da disputa por espaço entre as figuras aqui citadas, mantenha a representatividade política em Brasília, e de preferência, até amplie, com a eleição de três deputados federais, o que seria sobremaneira, uma importante conquista dos Campos Gerais.
  • Paulo Sérgio Rodrigues, editor.

About Paulo Sérgio Rodrigues

Comentarista político, radialista, trabalhou em diversas emissoras de rádio, em TV e em jornais de Ponta Grossa, vem atuando há 30 anos no jornalismo de Ponta Grossa e região dos Campos Gerais.

View all posts by Paulo Sérgio Rodrigues →