Câmara de PG terá “Pauta Bomba” na retomada dos trabalhos em fevereiro

Mesa Executiva terá trabalho para formatar a pautas de votações deste ano na Câmara de Ponta Grossa. Foto: Kauter Prado – CMPG.
O presidente da Câmara Municipal de Ponta Grossa, Sebastião Mainardes Júnior (DEM), já deve estar esquentando a cabeça para a montagem das primeiras Ordens do Dia da legislatura deste ano. Alguns projetos polêmicos não foram votados no ano passado e devem dominar as discussões logo nos primeiros dias deste segundo ano de mandato dos vereadores.
Um dos primeiros assuntos que a Câmara Municipal deverá discutir é a terceirização do Centro de Eventos. Assunto tratado como prioritário pela atual gestão, o projeto foi protocolado no final de 2017, mas antes da votação recebeu pedido de vistas do vereador Ricardo Zampieri para que fosse melhor avaliado. Certamente deverá estar em pauta nas primeiras sessões.
PLANO DIRETOR
Diversos projetos constantes do Plano Diretor também deverão aparecer com alguma frequência nas pautas do legislativo princesino. Projetos ligados, especialmente, a mobilidade urbana e urbanização deverão ser assuntos recorrentes a serem analisados pelos parlamentares.
TERCEIRIZAÇÕES E MUNCHENFEST
Além do Centro de Eventos, o prefeito Marcelo Rangel já comentou que a atual gestão está realizando estudos para terceirizar tudo que não for serviço essencial do Poder Público e que gera despesa para o município. Prédios públicos, estruturas de atendimento e serviços prestados pelo município podem ser terceirizados ao longo deste ano ainda. A própria Munchenfest deverá ser reestudada, pois a festa que é terceirizada ainda rende despesas altas para o município, pois de acordo com a CEI criada na Câmara Municipal, este ano a Prefeitura teria gasto mais de R$ 400 mil na festa.
SANEPAR
A renovação, ou não, do contrato com a Sanepar, deverá ser o assunto mais polêmico a ser enfrentado pelos vereadores este ano. O projeto foi protocolado no ano passado, mas recebeu duras críticas de diversos setores da sociedade, e mesmo de aliados do prefeito Marcelo Rangel. Vereadores governistas também estavam reticentes em votar a proposta da forma original. Tudo indica que a proposta poderá ser votada em 2018, mas haverá ainda muita discussão.
DÉCIMO TERCEIRO E FÉRIAS
Os vereadores não gostam do tema. O próprio presidente Mainardes evitou falar sobre o assunto no ano passado. Porém, é grande a possibilidade de que o pagamento de verbas de férias e do décimo terceiro salários aos vereadores também ajude a ampliar a Pauta Bomba deste ano no legislativo pontagrossense. Como a proposta é impopular e o ano é de eleições, há quem já defenda que o assunto seja tratado com a máxima discrição e se possível, mais para o final da temporada.
  • Paulo Sérgio Rodrigues, editor.

About Paulo Sérgio Rodrigues

Comentarista político, radialista, trabalhou em diversas emissoras de rádio, em TV e em jornais de Ponta Grossa, vem atuando há 30 anos no jornalismo de Ponta Grossa e região dos Campos Gerais.

View all posts by Paulo Sérgio Rodrigues →