Prefeito joga a “culpa” pelo aumento da passagem do ônibus no Conselho de Transportes

Prefeito Marcelo Rangel autorizou o aumento na passagem do ônibus. Foto: Arquivo.
O Prefeito Marcelo Rangel utilizou uma saída, no mínimo, estranha para justificar a autorização para o reajuste da tarifa do transporte coletivo em Ponta Grossa: jogou na conta do Conselho Municipal de Transportes o aumento na passagem do ônibus. Em Nota Oficial distribuída na tarde desta quinta-feira (8) pela Assessoria de Imprensa da Prefeitura, Rangel diz que “acatou a sugestão do Conselho Municipal de Transporte (CMT) para o repasse da variação de custos da passagem do transporte coletivo municipal. A nova tarifa deve vigorar a partir da zero hora de domingo, dia 11, e será de R$3,80“.
Na verdade o senhor alcaide arranjou uma forma de tentar se sair bem da história, isto porque o Conselho Municipal de Transportes é apenas consultivo, isto é, não tem caráter deliberativo e, portanto, não autoriza o reajuste da passagem. O CMT pode sugerir o que os conselheiros acreditam ser o valor da passagem. Porém, cabe ao prefeito unicamente a ele a decisão final.
O Prefeito Marcelo Rangel, assim como todos os outros demais prefeitos anteriores, tem o poder discricionário. Isto quer dizer que ele pode escolher aumentar o valor da tarifa, ou não. Lógico e evidente que existem aspectos técnicos e estes são levantados pela AMTT e analisados pelo Conselho Municipal de Transportes.
Mas, isto não quer dizer que o prefeito não possa analisar tudo isto e discordar, assim como em todos os outros processos da prefeitura. As secretarias apresentam pareceres nos processos, mas a palavra final cabe ao prefeito, sempre.
SEM REAJUSTE
A expectativa era de que o CMT não sugerisse um valor maior para a passagem de ônibus, pois no ano passado o reajuste foi de mais de 15%. O próprio prefeito Marcelo Rangel poderia, através de um ato de coragem e transparência, refletir sobre o tema e pensar nos trabalhadores, principalmente nos menos favorecidos, assim como nos pequenos empresários, os quais bancam o sistema de transporte coletivo.
Parece que Rangel não está preocupado com os trabalhadores da cidade e nem com os empresários que vêem todos os dias ter que bancar um sistema de qualidade duvidosa.
Ao contrário, o prefeito preferiu dar o tapa e esconder a mão, jogando na conta do CMT o reajuste da tarifa.
VOTAÇÃO UNÂNIME
O que estranha também na decisão do Conselho Municipal de Transportes, é a informação de que a sugestão para o valor de R$ 3,80 teria sido de forma unânime. Isto quer dizer que a Associação dos Usuários do Transporte Coletivo e o Sindicato dos Trabalhadores da VCG também votaram à favor do aumento?
Custa-nos a acreditar em tal situação. Afinal de contas uma associação que teria o condão de defender os interesses dos usuários e o sindicato dos trabalhadores deveria ter uma atuação totalmente oposta a apresentada neste episódio.
  • Paulo Sérgio Rodrigues, editor.

About Paulo Sérgio Rodrigues

Comentarista político, radialista, trabalhou em diversas emissoras de rádio, em TV e em jornais de Ponta Grossa, vem atuando há 30 anos no jornalismo de Ponta Grossa e região dos Campos Gerais.

View all posts by Paulo Sérgio Rodrigues →