Prefeito se ausenta por 10 dias para visitar a China. Precisava tanto?

Prefeito de Ponta Grossa fará visita formal a China.
O prefeito municipal tem o direito – e até o dever, muitas vezes – de buscar recursos para a sua cidade. Assim, as viagens internacionais são uma necessidade para alavancar investimentos estrangeiros no município. Entretanto, a viagem do prefeito de Ponta Grossa Marcelo Rangel para a China, nos parece ser um exagero no tempo que será gasto – e dinheiro por consequência – na visita ao país de ditadura comunista.
Vamos analisar do ponto de vista prático. Uma viagem para a China demora, pelo menos, 1 dia para ir, e outro para voltar. Descontados os atrasos e escalas, até em função do fuso horário, vamos chegar a 3 dias. Para visitar uma empresa e um sistema escolar, mais 2 ou 3 dias seriam suficientes para cumprir o papel.
Nos causa surpresa e espanto que sejam necessários mais 4 dias na China para que o prefeito e sua comitiva possam verificar quais as reais intenções dos chineses em investir na cidade.
Lembramos até de uma viagem do prefeito Marcelo e uma exagerada comitiva de pessoas no passado não muito distante para a Coréia do Sul e Alemanha, quando a intenção era verificar outras tecnologias para destinação de resídios sólidos (lixo).
Rangel teria voltado com a certeza de que o processo de usinagem do lixo era o mais correto, situação que acabou não se confirmando mais tarde. Ou seja, aquela viagem foi infrutífera e rendeu apenas custos financeiros para os cofres públicos.
Em tempo: até agora não se sabe quantas pessoas foram naquela viagem e qual foi o montante gasto.
Nesta viagem para a China, o mínimo que esperamos, em nome da transparência, é sabermos quantas pessoas vão estar na comitiva e qual o valor gasto com todos os custos e se, é claro, vamos ter algum resultado prático de tudo isto.
Lembramos que a Prefeitura vive uma turbulência por conta das negociações com os servidores públicos, os quais cobram a recomposição salarial dos últimos 12 meses na data base da categoria, ou seja, neste mês de maio, reivindicação que a atual gestão parece não estar disposta a ceder.
Ao invés de assumir o papel de gestor e apresentar solução para a negociação, Rangel prefere se ausentar do país para visitar empresários chineses, os quais esperamos que realmente venham a investir na cidade, situação única que justificaria a viagem.
Neste sentido, a Câmara Municipal deveria exercer seu principal papel de fiscalização e exigir da comitiva, quando da volta, a prestação de contas do que realmente foi feito, bem como detalhamento das pessoas que faziam parte da comitiva e os custos envolvidos no deslocamento.
Talvez os vereadores, pelo menos a maioria, não se importem com isto, mas deveriam.
  • Paulo Sérgio Rodrigues, editor.

 

About Paulo Sérgio Rodrigues

Comentarista político, radialista, trabalhou em diversas emissoras de rádio, em TV e em jornais de Ponta Grossa, vem atuando há 30 anos no jornalismo de Ponta Grossa e região dos Campos Gerais.

View all posts by Paulo Sérgio Rodrigues →