Os motivos para Francisquini desistir da candidatura ao Senado

Francisquini poderá rever intenção de concorrer ao Senado. Foto: Arquivo.
O deputado Fernando Francisquini deverá rever sua intenção de concorrer ao Senado Federal, nos próximos dias. Inicialmente animado com as primeiras pesquisas de intenção de voto, principalmente pela divulgação massiva dos escândalos envolvendo o ex-governador Beto Richa (PSDB), o deputado do PSL caiu na real nos últimos dias e vem sendo aconselhado e manter o projeto inicial.
Francisquini recebeu a incumbência de montar o Partido Social Liberal – PSL no Paraná, para ser o porta-voz do pré-candidato a presidência da república, Jair Bolsonaro, no Estado do Paraná. ]
Some-se a isto o projeto definido de chegar a Prefeitura de Curitiba em 2020, Francisquini programou sua candidatura a Assembléia Legislativa, trocando de lugar com seu filho, Felipe, que deverá ser candidato a deputado federal.
Tudo certo e resolvido, muitas lideranças e pré-candidatos, embarcaram na promessa de Francisquini, com a projeção de formar uma chapa capaz de eleger até 4 deputados estaduais, destacando a liderança do Delegado Federal no Estado e construindo uma base sólido do PSL no Paraná.
Entretanto, o bichinho da ambição mordeu ferozmente o deputado federal, que por conta de toda a situação, encasquetou que deveria concorrer ao Senado, apostando no desgaste de Richa. Ledo engano.
Francisquini sabe que uma campanha ao senado custa o mesmo que uma campanha ao governo do Estado. Sabe também que seu sonho de governar Curitiba e construir um projeto estadual seria dizimado caso conseguisse manter-se no Congresso, via vaga no Senado Federal.
Claro que o delegado pensou também em seu comandante, Bolsonaro, que evidentemente precisará de lideranças aliadas suas no Congresso, em caso de vitória nas urnas em outubro.
Porém, além dos problemas já elencados, surge outro, pois com uma candidatura ao Senado, Fernando decidiu colocar a esposa como candidata a deputada estadual. A notícia espantou os demais aliados, que viram aquela possibilidade inicial naufragar sem ter saído do ancoradouro, de fato.
Com receio de gastar muito e não se eleger, além de perder o prestígio interno no PSL, além da desilusão criadas com os demais potenciais candidatos a deputado estadual, Francisquini deverá rever sua decisão de concorrer ao Senado.
O bom senso e o compromisso assumido anteriormente com inúmeros correligionários, aconselham que o deputado volte ao plano inicial.
Se isto não acontecer, Francisquini poderá perder quase tudo e comprovar que a nova política prometida por ele, não passou – de fato – de promessas, mesmo ainda sem campanha.
  • Paulo Sérgio Rodrigues, editor.

About Paulo Sérgio Rodrigues

Comentarista político, radialista, trabalhou em diversas emissoras de rádio, em TV e em jornais de Ponta Grossa, vem atuando há 30 anos no jornalismo de Ponta Grossa e região dos Campos Gerais.

View all posts by Paulo Sérgio Rodrigues →