Vereadores começam a discutir a eleição da Mesa Executiva

Pastor Ezequiel, Ricardo Zampieri, Daniel Milla, Mingo Menezes e Felipe Passos. A eleição da Mesa Executiva passará por estes nomes. Fotos: Kauter Prado – CMPG.
Passadas as eleições de outubro, os vereadores da Câmara Municipal de Ponta Grossa começam a discutir a eleição da Mesa Executiva do legislativo.
Neste contexto, vários nomes estão despontando para disputar a presidência e também os demais cargos que compõe a direção dos trabalhos da Câmara.
Entre os nomes que circulam nos bastidores estão dos vereadores Daniel Milla (PV), Felipe Barros (PSDB), Ricardo Zampieri (PSL), Felipe Passos (PSDB), Mingo Menezes (DEM) e Pastor Ezequiel (PRB), os quais poderão compor, em grupos ou isoladamente, os cargos da futura Mesa Executiva.
Porém, esta lista não é terminativa e exaustiva, até porque ainda faltam cerca de 40 dias para a eleição e as articulações nunca param. Outros nomes podem entrar na disputa, bem como nomes aqui cogitados podem compor com outros nomes para formação de blocos para o bate-chapa.
OS NOMES
O nome de Daniel Milla surge como entre os mais fortes para assumir a presidência. No seu segundo mandato, Milla tem adotado um tom conciliador com os demais vereadores, procurando sempre interligar posições e aproximar divergências. A princípio, teria o apoio de boa parte do bloco da situação, até mesmo devido a um possível compromisso assumido já na última eleição da mesa.
Ricardo Zampieri saiu fortalecido das eleições de outubro. Mesmo não sendo candidato, ganhou visibilidade ao apoiar e coordenar campanhas vitoriosas do Delegado Fransciquini e seu filho Felipe (federal), bem como o presidente eleito Jair Bolsonaro. Isto só não bastaria, mas Ricardo tem bom trânsito tanto na oposição como entre os vereadores de situação.
Felipe Passos também saiu fortalecido das eleições. Candidato a deputado federal, o cadeirante surpreendeu ao emplacar mais de 25 mil votos somente em Ponta Grossa, e quase 50 mil no total. Tem contra si um discurso moralista que não agrada parte dos vereadores.
Mingo articulou uma das chapas nas últimas eleições e dividiu com Mainardes o apoio do deputado Plauto naquela disputa. Não saiu vencedor, mas procurou manter o grupo junto a si. Entretanto, com a votação baixa de Plauto em Ponta Grossa, parece que o grupo do deputado na Câmara Municipal já não tem o fôlego de outros tempos.
Por sua vez, Pastor Ezequiel vem tentando costurar seu desejo de comandar a Câmara Municipal há muito tempo. Mesmo sendo uma espécie de líder da “Bancada da Bala”, pode ter problemas para emplacar sua candidatura justamente por outros pretendentes no mesmo grupo. Mas, é um nome que não pode ser descartado.
Em suma, como disse anteriormente, embora tudo caminhe para um processo tranquilo, é bom lembrar que algumas eleições foram decidias nos últimos segundos da votação e para uma Câmara Municipal que contou até com um episódio de “falso sequestro de uma vereadora”, nada pode ser cravado com antecedência.
  • Paulo Sérgio Rodrigues, editor.

 

About Paulo Sérgio Rodrigues

Comentarista político, radialista, trabalhou em diversas emissoras de rádio, em TV e em jornais de Ponta Grossa, vem atuando há 30 anos no jornalismo de Ponta Grossa e região dos Campos Gerais.

View all posts by Paulo Sérgio Rodrigues →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *