Vereadores denunciam lixão a 500 metros do Rio Guaraúna

Aterro Sanitário em primeiro plano e ao fundo, as cavas e leito do Rio Guaraúna. Crime Ambiental premeditado? Foto: Divulgação.
Os vereadores Celso Cieslak e Sargento Guiarone estiveram nesta última semana visitando a região do Guaraúna, onde uma empresa privada está construindo um Aterro Sanitário e através de um vídeo nas redes sociais, denunciaram a grave situação do local devido a proximidade do depósito de lixo com o Rio Guaraúna.
Os vereadores pontagrossenses estavam acompanhados do vereador Emerson Vidal dos Santos, de Teixeira Soares, e também de moradores da região que estão preocupados com a obra, que fica a 500 metros do Guaraúna, um dos principais afluentes do Rio Tibagi, que serve para abastecimento de água em diversas cidades da região no Estado do Paraná.
Um dos grandes problemas detectados na visita, foi que proximidade do lixão com o rio, poderá desencadear um desastre ambiental caso uma chuva muito forte ocorra e todo o chorume produzido no local deverá chegar até o leito do rio e se estendendo por toda a bacia, causando danos ao meio ambiente.
Além disto, os vereadores também salientaram o prejuízo aos moradores da região, que precisarão conviver com o mau cheiro e o risco de contaminação da água consumida pelas pessoas, pelos animais, além de doenças que poderão afetar os moradores.
Guiarone (esq) e Celso, visitaram o local.
“É um crime o que está acontecendo aqui, pois com certeza haverá o direcionamento de 100% do lixo de Ponta Grossa para esta área. Terminou esta obra, Ponta Grossa estará depositando lixo aqui”, comentou o vereador Guiarone.
Celso Cieslak comentou sobre a liberação da licença ambiental provisória para o local: “Alguns meses depois do IAP liberar esta licença, o presidente do IAP foi preso, este mesmo que concedeu a licença provisória aqui”, destacou.
Tanto os vereadores de Ponta Grossa, como o vereador de Teixeira Soares e moradores da região, bem como outras pessoas e entidades, estão cobrando das autoridades uma providência no sentido de barrar o término da obra para que todos os levantamentos técnicos possam ser feitos, todos os estudos ambientais necessários para se evitar, o que os parlamentares consideram como crime ambiental premeditado.
  • Paulo Sérgio Rodrigues, editor.

 

About Paulo Sérgio Rodrigues

Comentarista político, radialista, trabalhou em diversas emissoras de rádio, em TV e em jornais de Ponta Grossa, vem atuando há 30 anos no jornalismo de Ponta Grossa e região dos Campos Gerais.

View all posts by Paulo Sérgio Rodrigues →