Deputada Mabel Canto contesta valores que o DER gastará com fiscalização dos pedágios

Deputada Mabel Canto contestou contratação de empresas terceirizadas para fiscalização dos contratos de pedágio. Foto: Divulgação.
A deputada estadual Mabel Canto contestou nesta semana, a contratação que será feita pelo  Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) através de três editais de licitação para contratação de serviços terceirizados, com o objetivo de iniciar uma fiscalização do encerramento dos contratos de pedágios do Estado.
“O que nos deixa mais perplexos são os valores que estão sendo gastos nessas contratações. As três licitações têm como objetivo apoio à fiscalização das medidas, atividades e obrigações do encerramento dos contratos de concessão rodoviária, auditoria das condições estruturais e funcionais das estradas. Resumidamente busca fiscalizar se todas as cláusulas do contrato foram cumpridas”, destacou a deputada.
De acordo com levantamento feito nos editais, as licitações acontecerão por meio de pregão eletrônico, entre os dias 19 e 21 de agosto e juntas totalizam R$ 48.541.552,78. A primeira licitação já foi concluída no valor de R$10.940.000,00, sendo que empresa Geosistems Engenharia e Planejamento Ltda foi a vencedora.
A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná (Agepar) é o órgão que acompanha todo esse trabalho contratado pelo DER-PR. Desta forma, a deputada Mabel em esboço do qual, se o DER e Agepar investissem em mais funcionários próprios, poderia haver uma economia para os cofres do Estado.
“Baseado na folha de pagamento dos funcionários da Agepar divulgado pelo portal de transparência (referente ao mês de agosto de 2020), começando pelo funcionário que recebe o menor salário até o maior salário da empresa, a remuneração final mensal com as devidas contrapartidas de contribuição previdenciária por parte do Estado chega ao valor total de R$ 343.065,69. Somando esse valor para conta anual, incluindo o décimo terceiro e acrescentando o valor das férias de todos os funcionários, resultaria no total de R$ 5.797.810,24 (sem incluir demais benefícios). A projeção de custos em caso de duplicação da força de trabalho da Agepar ficaria no valor de R$ 11.595.620,48. Se a empresa aumentasse o quadro de funcionários, a duplicação do salário no período de três anos chegaria ao valor de R$ 34.786.861,45.”, alegou Mabel.
De acordo com Mabel, “Os três editais de contratação para um trabalho de fiscalização poderiam pagar o equivalente a oito anos de salários dos funcionários da Agepar. O povo Paranaense não precisa de mais prejuízos financeiros. Queremos que esse valor seja investido de maneira correta e que traga benefícios para a nossa população”, disse durante discurso nas sessões plenárias da Assembléia Legislativa.
A deputada Mabel Canto deverá solicitar pedido de informações junto ao DER/Agepar sobre estas contratações.
  • Da assessoria.

About Paulo Sérgio Rodrigues

Comentarista político, radialista, trabalhou em diversas emissoras de rádio, em TV e em jornais de Ponta Grossa, vem atuando há 30 anos no jornalismo de Ponta Grossa e região dos Campos Gerais.

View all posts by Paulo Sérgio Rodrigues →