Oposição: Estilo “Larocca” deverá retornar a Câmara Municipal de Ponta Grossa

Julio Kuller, Josi Kieras e Joce Canto, devem ser destaques da oposição na Câmara Municipal de Ponta Grossa.
Como o início das sessões plenárias em fevereiro, o bloco de oposição na Câmara Municipal de Ponta Grossa deverá fazer bastante barulho e incomodar bastante o governo da Professora Elizabeth Schmidt, no bom sentido é claro.
Porém, dificilmente terá votos suficientes para bloquear ou dificultar votações de projetos de interesse da Administração Municipal.
A eleição da Mesa Executiva comprovou esta teoria. Quando perceberam que no voto não teriam a mínima chance, vereadores de oposição tentaram bloquear a participação do presidente Daniel Milla e do secretário Dr. Zeca no pleito.
Evidentemente, a situação gerou muita polêmica, muita discussão e deu muito trabalho para o setor jurídico dos vereadores envolvidos no processo.
Com decisão judicial/recursal favorável, os governistas venceram com facilidade a votação e comprovou que o bloco poderá ter entre 12 e 13 vereadores, número mais do que suficientes para garantir a aprovação de projetos, mesmo aqueles que necessitem de maioria absoluta.
INCORPORANDO ESTILO “LAROCCA”
Durante o primeiro mandato, o ex-prefeito Marcelo Rangel teve uma pedra no sapato. O ex-vereador Antonio Larocca Neto foi o que mais deu serviço para o governo municipal, com críticas e questionamentos mais contundentes junto a Administração Municipal. Larocca tinha um estilo próprio de questionar, o que levava o governo a se desdobrar para dar conta dos questionamentos.
O estilo “Larocca” poderá voltar no comportamento de alguns novos vereadores, como por exemplo, de Joce Canto. Experiente com o dia-a-dia do legislativo (já foi assessora parlamentar), Joce mostrou, durante a campanha, que vai questionar e debater bastante, devendo colocar novamente aquela pedra no sapato do Executivo.
Além de Joce Canto, Josi Kieras (Coletivo), também deverá apresentar uma atuação mais questionadora, com uma atuação fiscalizatória mais contundente, até mesmo pela ideologia do partido PSOL.
Além das duas vereadores citadas, o experiente Julio Kuller (MDB) também deve ter atuação destacada na oposição. Julio, que já foi secretário de Rangel, acabou por se desentender com o ex-prefeito e apoiou a deputada Mabel Canto durante a última campanha.
Sejam quais foram as circunstâncias, o que esperamos são debates legítimos e baseados no devido respeito e independência entre os poderes, garantidos em nossa Carta Magna. Ser da oposição não significa achar que está tudo errado, e lançar palavras e questionamentos ao vento e sim mostrar quais são as alternativas viáveis para as propostas analisadas no legislativo.
Conclui-se, portanto, que embora tenha a função de debater os assuntos importantes para  cidade, propor e mostrar contraditórios e alternativas, a oposição terá limitações de votos no plenário na grande maioria das discussões. Pelo menos esta é a previsão.
  • Paulo Sérgio Rodrigues, editor.

About Paulo Sérgio Rodrigues

Comentarista político, radialista, trabalhou em diversas emissoras de rádio, em TV e em jornais de Ponta Grossa, vem atuando há 30 anos no jornalismo de Ponta Grossa e região dos Campos Gerais.

View all posts by Paulo Sérgio Rodrigues →